domingo, 16 de agosto de 2009

On and on across the universe.

"Um monte de mágoas, um punhado de alegrias passam por minha mente me possuindo e acariciando e nada vai mudar meu mundo, nada vai mudar meu mundo, nada vai mudar meu mundo, nada vai mudar meu mundo."

Abraço.

Não há extra mais sincero e aconchegante. Não precisa ser "quando existe razão".
"Onde há amor há vida."
(Mahatma Gandhi)

quarta-feira, 12 de agosto de 2009

Saúde, dizemos cada dia

Saúde, dizemos cada dia,
a cada um,
é o cartão de visita
da falsa bondade
e da verdadeira.
É o sino para reconhecer-nos:
aqui estamos, saúde!
Se ouve bem, existimos.
Saúde, saúde, saúde,
a este e ao outro, a quem,
e à faca, ao veneno
e ao malvado.
Saúde, reconhece-me,
somos iguais
e não nos queremos,
nos amamos e somos desiguais,
cada um com colher,
com um lamento especial,
encantado de ser e de não ser;
há que dispor de tantas mãos,
de tantos lábios para sorrir,
saúde!
que já não resta tempo.
Saúde
de inteirar-se de nada.
Saúde
de dedicar-nos a nós mesmos,
se é que nos resta algo
de nós, de nós mesmos.

Saúde!


(Pablo Neruda)

segunda-feira, 10 de agosto de 2009

Como "Sexy Sadie", dos Beatles.

A sensação de que falta apenas alguma coisa pra se chegar ao ápice e a esperança, a expectativa; o coração ; música: que faça querer arrebentar as cordas da guitarra, o pé bater e querer cantar uma oitava acima; cresce devagarinho; o desejo de expressão e a tentativa da tradução; Se sentir impotente e maravilhar-se diante do mundo e ao mesmo tempo sentir que o mundo inteiro é seu (mesmo que isso não seja preciso); o que não deixa dormir; "um pouco de açúcar na minha tijela"; o que faz querer cantar e gritar ao mundo todas as coisas; o que faz ter esperança de um mundo melhor.
video

sábado, 8 de agosto de 2009

Blinde-se, arme-se, desfrute a vida.

Uma realidade cada vez mais pertencente às cidades brasileiras são os assaltos, balas perdidas, que amedrontam os cidadãos que buscam na indústria da insegurança, recursos que possam protegê-los da violência crescente.
A violência se deve a exclusão social, fator que desencadeia o medo. O tráfico de drogas é a máquina da violência, a qual faz com que as classes mais favorecidas se fechem em condomínios e passem a viver isoladamente. Isso porque a polícia, bem como as leis no Brasil são muito brandas e não consegue conter essa situação de tragédia social.
A mídia também contribui para o crescimento da insegurança, uma vez que, diariamente, divulga dados que assustam a população, que vê na segregação social e espacial, um meio de garantir uma vida segura. É irrefutável a condição de precariedade do sistema de segurança pública nacional, já que esse perde profissionais e verbas em decorrência da corrupção e desvio de dinheiro. Desse modo, protegida por muros e carros blindados, a elite brasileira usufrui de sua qualidade de vida.
Portanto, uma melhora implicaria em uma mudança maior do que se pensa, uma troca de mentalidade tanto por parte da população como dos governantes, além de investimentos sem corrupção e bem planejados. Somente através de projetos e conscientização de todos será possível se não reverter, amenizar o quadro da violência urbana, preocupante e urgente.