quinta-feira, 25 de novembro de 2010

Para pensar

"A liberdade é o fundamento de todos os valores. O homem é aquilo que ele faz de si mesmo."
(Sartre)

Soneto Antigo

"Responder a perguntas não respondo.
Perguntas impossíveis não pergunto.

Só do que sei de mim aos outros conto:
de mim, atravessada pelo mundo.

Toda a minha experiência, o meu estudo,
sou eu mesma que, em solidão paciente,
recolho do que em mim observo e escuto
muda lição, que ninguém mais entende.

O que sou vale mais do que o meu canto.
Apenas em linguagem vou dizendo
caminhos invisíveis por onde ando.
Tudo é secreto e de remoto exemplo.
Todos ouvimos, longe, o apelo do Anjo.
E todos somos pura flor de vento"
 
(Cecília Meireles)
01:28

Não paro de pensar a respeito de minha capacidade de passar por testes e ser aprovada; sobre minha dedicação e minhas expectativas.
Eu passeio pelo extraordinário mundo da Física, pelas conjunções da língua espanhola, pelos rizóides, filóides e caulóides de não sei que grupo de plantas. Lembro das fórmulas de Progressão Aritmética; que eu gostaria de cursar Letras alguma vez na vida e que meu namorado não sabia disso e seria bom se eu lembrasse dos alimentos que reforçam nossa memória. Gosto de saber que eu lembro que no clima Tropical a vegetação típica é o Cerrado enquanto planejo o calendário de estudos para ingressar na universidade através de um sistema de avaliação meio injusto e sonho com um entardecer em tons de azul no interessante universo das relações amorosas, que parecem ser surpreendentes.
Provavelmente se eu conseguisse respirar direitinho já estaria dormindo.
Vou ali encontrar o spray nasal.

02:25

Eu sei que "não é mais hora de estar acordada". Não consegui dormir ainda.

quarta-feira, 24 de novembro de 2010

Existe uma nova classe média brasileira?

O Brasil ocupa uma posição em torno do décimo lugar no ranking de desigualdade social do mundo segundo o relatório do Pnud ( Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento). Contudo, o abismo que separa a fartura da miséria está sendo, gradualmente, atenuado e uma prova de tal fato é o crescimento da classe média nos últimos anos.
Esse aumento se deve em parte a um planejamento focado em programas sociais- os quais mesmo carentes de fiscalização e melhoramentos, são uma alternativa provisória de combate à diferença gritante que há entre o topo e a base de nossa pirâmide social- e na geração de empregos, sendo que um dos setores que mais empregaram população foi o da construção civil, pois nunca foram edificadas tantas obras no país.
Uma vez que o número de empregados cresce, cresce também o poder de consumo, o qual permite, aliado a melhores empregos, que os brasileiros ascendam econômica e socialmente, além de exigir prosperidade da produção, o que faz com que as empresas busquem modos de produzir mais e melhor. Tal relação é o próprio ciclo de desenvolvimento de um país. Assim, a emersão dessa camada populacional, agora mais sedenta e também detentora de poder econômico, caracteriza o que se chama "nação em desenvolvimento" (claro, é preciso somar ao fator econômico aspectos como saúde, educação, saneamento básico, os quais não devem ficar estagnados, mas aí já é outra história).
Nosso país, portanto, vem minimizando, ainda que bastante lentamente, os contrastes sociais através da ampliação da atuação econômica daqueles cuja participação até então era pequena ou mínima, desenvolvendo a nova classe média brasileira.

terça-feira, 23 de novembro de 2010

On Psyche

"So loitering, so active; so busy, so idle;

Which has she most need of, a spur or a bridle?"

(Jonathan Swift)



There came a wind like a bugle

"...The bell within the steeple wild
  The flying tidings whirled.
  How much can come
  And much can go
  And yet abide the world!"

(Emily Dickinson)

segunda-feira, 22 de novembro de 2010

the coming in colours.

"A perplexidade do moço diante de certas considerações tão ingênuas, a mesma perplexidade que um dia senti. Depois, com o passar do tempo, a metamorfose na maquinazinha social azeitada pelo hábito de rir sem vontade, de falar sem vontade, de chorar sem vontade, de falar sem vontade, de fazer amor sem vontade... O homem adaptável, ideal. Quanto mais for se apoltronando, mais há de convir aos outros, tão cômodo, tão portátil. Comunicação total, mimetismo: entra numa sala azul, fica azul, numa vermelha vermelho. Um dia se olha no espelho, de que cor eu sou? Tarde demais para sair pela porta afora."

("Eu era mudo e só"- Antes do Baile Verde
Lygia Fagundes Telles)

Sweet Dreams

domingo, 21 de novembro de 2010

Almost Persuaded

"Then he came and he sat down at my table
and he put his hand upon mine
"


domingo, 14 de novembro de 2010


"you peer inside yourself
you take the things you like
and try to love the things you took"

segunda-feira, 1 de novembro de 2010

"Delicadeza das almas grosseiras"

"A bondade do homem não deve ser um ato avulso e transitório, mas um transbordamento constante que não lhe custe nada e do qual esteja inconsciente".
Henry D. Thoreau